Lambchop . “This Is What I Wanted to Tell You”

Photo by Lost At E Minor


O registo introspective de Kurt Wagner.

Há bandas tão familiares para nós, que qualquer música que façam, desperta logo o nosso interesse. Esta é uma delas.

Um álbum fora do seu habitat natural, da sua zona de conforto, mais digital e pessoal. Não é o seu melhor registo, mas também não nos deixa indiferentes.

Numa clara mudança de rumo, Kurt Wagner envelheceu e na sua companhia, também nós.


Solange . “When I Get Home”

Photo by Pitchfork


Para que não restem dúvidas (se alguém ainda as tem), não se trata apenas da irmã de Beyoncé, nem tem que viver na sua sombra.

Ela é Solange, dona de si e nome já firmado no universo musical. Traz-nos um conjunto de canções pop, R&B, que celebram a sua natureza, cultura e influências.

Mulher, afro-americana, cantora, compositora, modelo – os atributos que definem a sua personalidade. E nós agradecemos.


Billie Eilish . “When We All Fall Asleep, Where do We Go”

Photo by Billie Eilish Oficial


Cantar os pecados e esperanças de uma geração.

Com apenas 11 anos, Billie Eilish, começou a escrever e a interpretar os seus próprios temas. Aos 18 anos, lançou um álbum moderno, verdadeiro, cheio de vigor, em que expia os pecados e esperanças de toda uma geração. Que rumo iremos ter? É este o nosso caminho. Pergunta ou afirma ela. Ou não? Recomenda-se para diferentes idades e para pais que se questionam sobre o que fazem os seus filhos.


Marvin Gaye . “You’re the Man”

Marvin Gaye


Um ritmo de blues intemporal, que remete para o black power, soul e funk.

Tudo o que seja póstumo levanta algumas dúvidas sobre a intervenção de quem já cá não está – será que queria que o álbum fosse assim?

No entanto, “You’re the Man”, não sendo um “What’s Going On”, o que seria praticamente impossível, não deixa de nos trazer de volta a voz cândida e acolhedora de Marvin Gaye. Só por isso já vale a pena.


Marvin Gaye . “You're the Man”

Capitão Fausto . “A invenção do dia claro”

Photo by Capitão Fausto


Um dia claro, com uma sonoridade alegremente melancólica.

Não é apenas a simpatia contagiante, o “à vontade”, o “sem manias de grandeza” que caracterizam esta banda “made in Portugal”, mas também a qualidade e a mestria com que compõem os temas e a forma com que nos permitem partilhar da sua intimidade com uma alegre melancolia sonora. 

Neste álbum, os Capitão Fausto prosseguem a senda da sua evolução, depois do patamar alcançado com o anterior. E é para continuar…


Capitão Fausto - “A invenção do dia claro”